Empresas querem fim de adicional pago ao FGTS. - 08/09/2014
(Dra. Suzéte da Silva Reis)

Representantes da indústria e do comércio voltaram a defender o fim da cobrança adicional de 10% paga pelas empresas ao FGTS em demissões sem justa causa, após o governo apresentar proposta para pagar, em 30 meses, uma dívida de R$ 10 bilhões com o Fundo.

As centrais sindicais, por sua vez, defendem o uso dos recursos que o Ministério da Fazenda pretende devolver ao caixa do FGTS para criar um outro fundo anticrise.

A contribuição adicional dos 10% na multa do FGTS foi criada em 2001 para pagar dívida do fundo com trabalhadores lesados por planos econômicos.

Desde 2008, conforme revelou reportagem da Folha em setembro de 2012, o valor tem engordado as contas do Tesouro. O montante recolhido até 2008 foi suficiente para cobrir despesas com a correção devida às trabalhadores.

"O parcelamento confirma a tese da Fecomercio SP que a dívida dos planos econômicos já estava quitada e que a manutenção da cobrança dos 10% continua tendo como finalidade ajustar as contas públicas", diz a entidade em nota.

Para a federação que representa o comércio paulista, o Congresso Nacional "fez sua parte" ao aprovar um projeto que propunha a extinção do adicional.

"A decisão e o trabalho do Congresso deveriam ter sido mantidos e respeitados, mas infelizmente a presidente Dilma vetou. O mais agravante é que o governo insiste em sua manutenção e continua penalizando as empresas, sob o pretexto de fazer política social, que sofrem os efeitos do custo Brasil."

Para o economista-chefe da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Flávio Castello Branco, a contribuição já deveria ter sido extinta e não faz sentido criar outro fundo, como defendem as centrais.

"A contribuição foi criada com a finalidade de recompor valores dos planos. Se esse valor foi pago, ela deve ser extinta; e não destinada para fazer caixa do governo. O dinheiro do FGTS é patrimônio dos trabalhadores", diz o economista.

"Se já temos o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) e o FGTS, para que criar outro fundo?", questiona Castello Branco.

O tema está na agenda da CNI, que defende a aprovação de uma lei para extinguir o adicional.

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) avaliam como "equivocada" a manutenção do adicional de 10% sobre o FGTS.

Em nota, afirma que o adicional foi criado como contribuição provisória, com término estabelecido em 2012.

"Seu objetivo foi compensar prejuízos causados ao Fundo pelo próprio governo com planos econômicos mal-sucedidos, como o Verão e Collor 1. Ou seja, essa conta já foi paga por todos aqueles que realmente geram emprego neste país. Esses 10% não seguem para o trabalhador", diz o comunicado.

Segundo a entidade, não há mais justificativa legal para insistir na manutenção do adicional que era provisório e não deve se transformar em permanente. "Em 2012, as empresas desembolsaram mais de 2,7 bilhões de reais, valor não agregado a investimentos industriais."

Centrais

As centrais sindicais querem que os recursos que serão devolvidos, mesmo de forma parcela, sejam destinados a um fundo anticrise contra demissão.

"Há dois anos entregamos uma proposta ao ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência), que não andou. Esse é um momento para retomar essa discussão", diz Miguel Torres, presidente da Força Sindical.

"O governo pode até pagar como o consumidor que compra nas Casas Bahia, em prestações. Mas o importante é a destinação desses recursos."

A UGT (União Geral dos Trabalhadores) reconhece que a discussão ficou parada, porque a pauta das centrais tem prioridades não negociadas como redução da jornada de trabalho, fim do fator previdenciário e contra a terceirização nas atividades finais das empresas.

"As prioridades são muitas. Mas esse é o momento de retomar o fundo porque muitas empresas estão em dificuldade, concedendo lay-off. Esses valores poderiam ser usados para ajudar trabalhadores dessas empresas", diz Ricardo Patah, presidente da entidade.

Folha de São Paulo, por Claudia Rolli, 05.09.2014.


Empresas querem fim de adicional pago ao FGTS.

<< Voltar
 
 
Rua 7 de Setembro, 327 | Plaza Center | 8° andar
Centro | Santa Cruz do Sul - RS
Fone: (51) 3715.8188 Fax: (51) 3711.6432
escritorio@reisebastos.adv.br
 
2014 - Reis & Bastos. Todos os direitos reservados.   Desenvolvido por Interagence & CSZ Propaganda