O seguro habitacional deve cobrir vícios ocultos mesmo após quitação do contrato - 06/05/2019
A quitação do contrato de mútuo para aquisição de imóvel não extingue a obrigação da seguradora de indenizar os compradores por vícios de construção ocultos que impliquem ameaça de desabamento. Este entendimento abarca todos os imóveis comprados com financiamento pelo Sistema Financeiro Habitacional, e que contenham apólice de seguro obrigatório. Caso haja cobertura negada pela administradora da apólice em razão de problemas ocultos, só encontrados após a quitação do contrato de financiamento que permitiu a aquisição do imóvel, deve-se recorrer à parâmetros como boa-fé objetiva e da proteção contratual do consumidor para garantia do equilíbrio da relação jurídica. Os vícios estruturais de construção devem estar acobertados pelo seguro habitacional, e seus efeitos devem se prolongar no tempo, ainda que os defeitos só se revelem após o fim do contrato. O entendimento é corroborado pelas próprias características desse tipo de seguro, que são: uma obrigação para que o consumidor consiga o financiamento, tendo uma conformação diferenciada, uma vez que integra a política nacional de habitação, destinada a facilitar a aquisição da casa própria, especialmente pelas classes de menor renda da população. um contrato obrigatório que visa à proteção da família, em caso de morte ou invalidez do segurado, e à salvaguarda do imóvel que garante o respectivo financiamento, resguardando, assim, os recursos públicos direcionados à manutenção do sistema. A ótica do interesse público reforça a importância da garantia do seguro, na medida em que a integridade estrutural do imóvel é condição essencial para que o bem se mostre apto a acautelar o financiamento e, consequentemente, assegure a continuidade da política habitacional. Assim como a entrega da obra não extingue a obrigação do construtor pela solidez e segurança da edificação, a conclusão do contrato de seguro não afasta a responsabilidade da seguradora quanto ao risco coberto que nasceu durante a sua vigência, o qual, nos termos do artigo 779 do Código Civil de 2002, compreende todos os prejuízos resultantes ou consequentes dos vícios de construção. Destaque-se que, se não fosse esse o entendimento, o segurado que antecipasse a quitação do financiamento teria menor proteção em comparação com aquele que fizesse os pagamentos apenas nos prazos acordados. Fonte: JUSBRASIL

<< Voltar
 
 
Rua 7 de Setembro, 327 | Plaza Center | 8° andar
Centro | Santa Cruz do Sul - RS
Fone: (51) 3715.8188 Fax: (51) 3711.6432
escritorio@reisebastos.adv.br
 
2014 - Reis & Bastos. Todos os direitos reservados.   Desenvolvido por Interagence & CSZ Propaganda